Ei xavozas!

Hoje, vamos apresentar uma artista bapho que fez um trabalho lyndsay pra gente! Saca só!

Domitila de Paulo é colagista e artista visual em multi-linguagens. Sua trajetória cruza a arte, o design e a moda. Por isso também colabora com seu repertório de imagens como diretora de arte.

Nós convidamos a artista e musa para performar uma Perua Clandestina e interferir com suas colagens para situar esse crime: Uma felina na selva de pedra que assalta o sistema, sobre tela. Ela vem selvática e ocupa os espaços sem pedir licença, pois seu único crime é ser perfeita!
Tem acesso a tudo que ela julga merecer, quer o sistema queira, quer não. A pochete Fiança, com chuva de diamantes raros falsos bordado artesanalmente livrará essa fera ferida de qualquer B.O.

      Suas artes tem foco na técnica da colagem manual-analógica. Seu processo inicia na investigação de imagens raras em velhas publicações. Através do acervo garimpado, mixa elementos e cria por meio da semiótica a sua narrativa visual. Traz consigo a percepção de memória e identidade.

Já foram capa de disco como “Goela Abaixo” de Liniker e os Caramelows, lançado esse ano. O disco apresenta uma colagem por faixa, todas assinadas pela artista. O single Calmô lançado em 2018 também tem sua arte como capa. A artista também foi responsável pela arte da capa de “Outra Esfera”, o segundo disco de Tássia Reis. Suas artes também marcaram presença em outras capas como no livro “Massembas de Ialodês: vozes femininas em roda” da coletânea Sambas Escritos.

Através do seu Instagram (@domitiladepaulo), Domitila costuma divulgar as vendas dos prints e das obras originais, assim como exposições e mostras do seu trabalho. E tem o Facebook também moças, vem cá! 

Babado né? Compartilha com geral o close que é essa mulé!